Home
Soluções Ambientais > Áreas Degradadas

Áreas sem vegetação, utilizadas como empréstimo, bota-fora, escavadas, mineradas, assoreadas e erodidas são denominadas áreas degradadas. Estas áreas precisam ser recuperadas, como exigência da legislação, e também como medida voluntária das empresas, para obter certificações e proteger os empreendimentos.

Existem muitas técnicas para recuperação de áreas degradadas. Cabe aos técnicos, conhecer bem cada alternativa, para indicar a melhor solução, considerados os fatores eficiência, segurança e custo. As técnicas rudimentares estão se tornando cada vez mais caras e ineficientes, pois demandam retrabalhos constantes. A utilização de hidrossemeio de padrão internacional (uso de grande volume de sólidos) e biomantas antierosivas, além de outros métodos, tem apresentado excelentes resultados em áreas degradadas.

.
1. Talude totalmente erodido, com ausência de vegetação, solo muito arenoso e facilmente erodível, necessitando de imediata proteção a fim de evitar o aumento dos processos erosivos.

2. Vista do local após a aplicação da Tela Vegetal® 1000IC, a diferença do aspecto visual logo após a aplicação da mesma.


3. Vista do mesmo local, um ano após as medidas de contenção serem executadas, com utilização das Técnicas de Bioengenharia.
.
1. Vista geral das erosões, as quais serão recuperadas com uso das Técnicas de Bioengenharia e produtos biodegradáveis.

2. Serviços de recuperação já adiantados, com drenagem superficial e profunda executada, recuperação das erosões e aplicação de biomanta antierosiva.

3. Mesmo local após três meses da execução dos serviços, vê-se a eficiência do método, nenhum foco erosivo e a área completamente revegetada.
.
1. Vista geral da área degradada, iniciando o preparo do solo, material de grande suscetibilidade à erosão e muito estéril, chegando a atingir altas temperaturas no verão.

2. A área verde na foto foi o teste piloto, e após o cliente ter certeza do resultado, foi aplicada a biomanta antierosiva tipo Tela Biotêxtil® 600BP, em toda a superfície dos taludes.

3. Vista da mesma área após o desenvolvimento da vegetação, dando aspecto de que na área nunca houve interferência humana, mesmo após várias chuvas, permanecendo com total ausência de sulcos erosivos, protegendo totalmente a área.